Como funciona o programa Minha Casa Minha Vida?

Por Redação IQ 360

Índice de Conteúdomenu

  1. Tipo de imóvel e benefícios do Minha Casa Minha Vida
  2. Quem tem direito aos benefícios do Minha Casa Minha Vida?

O velho sonho da casa própria começou a virar realidade para os brasileiros quando foi criado o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Ao resgatar o valor acumulado durante vários anos de trabalho, uma boa parte da população investiu o fundo na entrada de um financiamento ou na quitação da dívida total da casa própria. Nos últimos anos, além do FGTS, os brasileiros começaram a recorrer ao programa Minha Casa Minha Vida, destinado a famílias com renda mensal de até R$ 7 mil.

O programa foi criado em março de 2009, durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O público-alvo inicial eram famílias de baixa renda, que não tinham condições de dar uma entrada no financiamento da casa própria a longo prazo. Aos poucos, o Minha Casa Minha Vida foi alcançando outras faixas etárias.

Entenda como funciona:

Tipo de imóvel e benefícios do Minha Casa Minha Vida

O objetivo do Minha Casa Minha Vida é facilitar a compra ou a quitação de um imóvel novo, podendo ser uma casa ou um apartamento. Dessa forma, o programa possibilita quatro opções de benefícios: o pagamento de uma parte do imóvel, o subsídio na entrada do financiamento, a diminuição do valor do seguro do financiamento habitacional, ou ainda, taxas de juros menores nas parcelas do financiamento.

Quem tem direito aos benefícios do Minha Casa Minha Vida?

O acesso a cada um desses benefícios vai depender da faixa de renda mensal da família interessada. Confira:

Até R$ 1.800: A família pode solicitar o financiamento com duração de até 10 anos e cada parcela não poderá exceder o valor de 10% da renda. Nesse subsídio, o programa se compromete a pagar até 90% do valor do imóvel novo e é o mecanismo mais procurado pela população. Para ter acesso, é necessário se cadastrar no Minha Casa Minha Vida da sua cidade e esperar a aprovação do crédito. Depois de aprovado, a família deverá ocupar o imóvel imediatamente e não poderá atrasar as parcelas do financiamento, e nem das contas de IPTU, luz, água e condomínio.

R$ 1.800 a R$ 2.600: Nessa faixa de renda, é possível conseguir uma ajuda do programa para o pagamento da entrada do financiamento do imóvel, não ultrapassando o valor de R$ 47,5 mil. Também é possível obter desconto no seguro e nas taxas de juros.

R$ 2.600 a R$ 4 mil: Nessa terceira faixa, a família consegue um subsídio de até R$ 29 mil na compra do imóvel, com taxas de juros bem atrativas: 5,5% a 7% ao ano.

R$ 4 mil a R$ 7 mil: A última faixa de renda só permite que a família consiga um desconto no seguro do financiamento e melhores taxas de juros.

Valores dos imóveis

Para conseguir os descontos ou subsídios para imóveis já construídos, existe um teto para cada grupo de localidades ou regiões:

Imóveis de até R$ 225 mil: região metropolitana de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal

Até R$ 200 mil: região metropolitana de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Espírito Santo

Até R$ 180 mil: Restante do país

Até R$ 90 mil: cidades com até 20 mil habitantes