Emprestei dinheiro, e agora?

Por Redação IQ 360

emprestei-dinheiro

Em tempos de crise econômica e desemprego em alta, buscar um empréstimo em um banco ou instituição financeira acaba sendo a solução para o pagamento imediato das dívidas. No entanto, as taxas de juros são tão altas que o montante final acaba sendo impraticável para uma boa parte da população. A saída mais rápida é recorrer a um parente ou amigo que possa dar aquela força.
Se você está do lado de quem vai conceder esse empréstimo a alguém, é bom ficar atento a algumas dicas. De acordo com pesquisas recentes, quanto mais próxima a pessoa for de você, maiores as chances de ela não pagar o seu empréstimo.

Formalize o empréstimo em contrato

A dica inicial é formalizar o empréstimo por meio de um contrato. Mesmo que pareça impessoal demais para um dinheiro que será destinado a um familiar ou amigo, essa medida estabelece regras e traz mais segurança para quem está se dispondo a conceder o crédito.
Os especialistas recomendam, inclusive, que esse contrato seja elaborado por um profissional, como um advogado ou contador. Além de dar mais credibilidade para a operação, ele poderá ser o intermediário entre você e o devedor em caso de inadimplência, o que pode preservar a relação pessoal de vocês, de alguma forma.

Juros mais baixos

Nesse contrato, é importante estabelecer alguma taxa de juros para o seu amigo ou parente. Sabemos que as taxas cobradas no mercado financeiro são altas e que ele está recorrendo a você justamente porque não poderá arcar com essa parte.
Mas como é você quem está emprestando e quer ter a certeza de que o montante será devolvido, incluir juros baixos é uma forma de dizer que o empréstimo não será a fundo perdido. Os especialistas recomendam que para parentes de primeiro grau, como irmãos, o ideal é juros de 1% ao mês. Para amigos e familiares mais distantes, o melhor é dobrar para 2% ao mês, já que o risco de não devolução é muito maior.

Imposto de Renda

Outra forma de formalizar o empréstimo é declarar no seu Imposto de Renda os valores que foram emprestados. Essa modalidade fica na ficha de Declaração de Bens e Direitos, código 51 – Crédito decorrente de empréstimo. Haverá um espaço para informar o valor emprestado e os dados do devedor. Com isso, seu amigo ou parente também deverá declarar que está devendo. Para ele, a ficha é a Dívidas e Ônus Reais, código 14 – Pessoa Física.