FIES: o que é, condições e inscrição

Por Emily Moura

Índice de Conteúdomenu

  1. FIES: o que é
  2. Como faço para concorrer ao FIES?
  3. Condições e regras do FIES
  4. Como é o processo de seleção do FIES
  5. Vale a pena fazer um financiamento pelo FIES?

O Programa de Financiamento Estudantil (FIES) foi criado no ano de 1999. Mas, somente em 2010 começou a tomar uma forma mais parecida com o que conhecemos hoje. A partir de 2018, o FIES começa a ter novas regras e conta com condições diferentes para quem deseja adquirir o financiamento.

Neste artigo vamos falar sobre o que mudou no FIES e tudo o que você precisa saber para concorrer ao benefício.

FIES: o que é

O FIES é um programa do Ministério da Educação criado com o objetivo de ajudar estudantes de baixa renda a financiar os estudos em universidades privadas.

A partir de 2018, começaram a vigorar novas regras para quem deseja concorrer ao programa de financiamento estudantil. Além do período de carência ter mudado, o FIES foi dividido em três tipos, incluindo até mesmo algumas vagas com isenção de juros.

Lembrando que diferente do ProUni, o FIES não é uma bolsa onde seu curso fica gratuito. Com o FIES, você financia sua graduação e a paga após se formar.

Como faço para concorrer ao FIES?

Para concorrer ao financiamento do FIES, você precisa fazer parte dos seguintes pré-requisitos:

  • Ter feito o Enem (são aceitas notas de qualquer edição desde 2010)
  • Média das notas acima de 450 no ENEM
  • Não ter zerado a redação do ENEM
  • Não ter se graduado anteriormente com o auxílio do FIES
  • Não ter uma bolsa de 100% em outro curso
  • A mensalidade do curso tem que comprometer no mínimo 20% da renda mensal da família

Em 2018, o FIES assumiu um novo formato, dividindo o financiamento em 3 modalidades diferentes:

  • Modalidade 1: para quem tem renda per capita mensal familiar de até três salários mínimos. Neste caso, o estudante fica livre dos juros. Serão 100 mil vagas oferecidas para essa modalidade.
  • Modalidade 2: para quem tem renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos e mora entre as regiões norte, nordeste e centro-oeste do Brasil. Para essa modalidade, os juros são de acordo com o banco. Os recursos utilizados são dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento.
  • Modalidade 3: direcionada para quem mora nas demais regiões do país, com renda per capita de até cinco salários mínimos. Os recursos utilizados são do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os juros são de acordo com o banco.

A taxa de juros pode variar de acordo com o banco que fechou o financiamento (Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil). Fique atento a esta informação na hora de se inscrever.

Condições e regras do FIES

A porcentagem de financiamento que você pode conseguir também é proporcional a renda per capita da sua família. E mesmo que você tenha direito a 100% do financiamento, pode escolher pagar uma parte à vista, se quiser. Algumas pessoas optam por financiar apenas uma parte do curso, para pagar menos juros e ficar menos tempo custeando o financiamento.

Para conseguir financiar 100% do curso, o valor da mensalidade tem que comprometer mais de 60% do valor da renda mensal da sua casa. Se a mensalidade comprometer de 40% a 60% da mensalidade, você consegue financiar até 75%. Mas se a renda mensal comprometida pela mensalidade da universidade for entre 20% e 40% você consegue financiar até 50% do curso.

Além dos requisitos e condições citados acima, o FIES conta com mais uma mudança muito importante. Na nova regra, não existe mais um prazo de carência de 18 meses para começar a pagar. Ou seja, assim que o aluno se formar na faculdade, ele já deverá começar a pagar as parcelas do financiamento.

Essa série de mudanças ocorreu devido ao crescente número de inadimplentes no programa de financiamento. Segundo a Lei de acesso a informação, o número de pessoas que não pagaram o FIES aumentou de 18,9% para 41%, no período entre 2014 e 2018. Visando diminuir esse número, além das mudanças no FIES, a partir do segundo semestre de 2018 será lançado o programa de renegociação de dívidas, para aqueles que já estão devendo para o programa.

Como é o processo de seleção do FIES

Se você se encaixa em todos os pré-requisitos, preencha o cadastro no site do FIES com todos os seus dados pessoais e selecione a faculdade e curso que pretende cursar.

No vídeo abaixo você confere passo a passo como fazer seu cadastro para concorrer ao benefício:

Caso ocorra de você não passar na primeira chamada, não se preocupe. O FIES te coloca automaticamente na fila de espera da próxima chamada ou das vagas remanescentes.

Mas se você passou, agora você precisará passar por uma série de comprovações para efetivar a sua vaga. Para ter acesso ao benefício, você precisará de um fiador e abrir uma conta na Caixa econômica Federal ou Banco do brasil.

O fiador funciona como garantia de pagamento, caso você não pague a dívida. Como nem sempre é fácil conseguir alguém que assuma essa responsabilidade, você tem três opções de fiador:

  1. Fiador: alguém confiável que tenha o salário bruto de no mínimo o dobro do valor da mensalidade do seu curso.
  2. Fundo garantidor: para conseguir este tipo de benefício, que na verdade dispensa a apresentação de um fiador, você precisa atender a pelo menos um dos pré-requisitos: ter uma renda percapita mensal familiar de até um salário mínimo e meio ou ser bolsista parcial do ProUni.
  3. Fiador solidário: para conseguir esse tipo de fiador, será necessário de três até cinco alunos que estudem na mesma instituição que você estuda ou irá estudar e que não estejam financiando outro estudante.

Se você conseguir ser selecionado em alguma das chamadas do FIES, o próximo passo é validar sua inscrição no site do Sis FIES. Preencha com seus dados pessoais, dados do fiador, informações da universidade e o número de inscrição do FIES.

Não se esqueça de validar as suas informações junto a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) da sua universidade, o prazo é de dez dias úteis.

Vale a pena fazer um financiamento pelo FIES?

O FIES não é uma bolsa de estudos, então tenha em mente que ao final do seu curso você terá uma dívida para pagar. E o processo de inscrição até a matricula na faculdade é longo e burocrático.

Porém, o FIES é uma boa oportunidade para jovens de baixa renda que querem ingressar no ensino superior. Mas para não entrar nas estatísticas de inadimplência, é necessário tomar alguns cuidados para que o benefício que deveria ser a realização de um sonho, não se tornar um pesadelo em forma de dívida.

Lembre-se que logo após o término do curso, você terá que começar a pagar seu financiamento. E infelizmente, nem todo universitário consegue sair da faculdade já com um emprego. Por isso, durante sua graduação faça uma reserva de emergência. Assim, você fica mais tranquilo após terminar a faculdade. Além de evitar a inadimplência, você já sai da universidade cuidando melhor do seu dinheiro.

Em muitas faculdades, o estudante tem a chance de estagiar em várias áreas dentro do curso que escolheu.  Use bem seu salário de estagiário, sabemos que provavelmente será um valor em torno de R$ 1.000, dependendo do curso e da região do país. Mas, mesmo ganhando pouco você pode economizar e ainda começar a investir. Clique aqui para saber mais.

Você também pode fazer alguns trabalhos como freelancer, os famosos “bicos”. Esses trabalhos pontuais são ótimos para fazer uma reserva de emergência e te ajudam na hora de pagar as mensalidades do FIES.