Qual a diferenças entre lavagem de dinheiro, corrupção e caixa 2?

Por Redação IQ 360

Índice de Conteúdomenu

  1. Corrupção
  2. Lavagem de dinheiro
  3. Caixa 2

Infelizmente, todos os dias os noticiários do Brasil estão cheios de informações sobre lavagem de dinheiro, corrupção e caixa 2. São termos que não gostaríamos de ouvir com tanta frequência ou gostaríamos que nem precisassem existir. Mas eles estão por aí e precisamos entender suas diferenças.

Informação é sempre útil. Estar informado é a melhor arma para se proteger de golpes, evitar se envolver em atos ilegais ou denunciar esses tipos de crimes. Eles acontecem com mais frequência na esfera política e empresarial, mas também estão por aí nas pequenas ações cotidianas, às vezes nem tão distantes de nós.

Corrupção

Maneira ilegal ou ilícita de conseguir dinheiro ou benefícios em causa própria. É o ato de corromper algo ou alguém com o intuito de obter vantagens em relação aos demais.

A corrupção, comum no cenário político, também acontece muito em empresas que desejam ser favorecidas de alguma maneira ou entre pessoas comuns, que enxergam uma possibilidade de ganhar dinheiro “por baixo dos panos”.

Nas relações cotidianas entre pessoas, a corrupção está muito ligada ao suborno, que é o ato de oferecer alguma coisa diante de uma negociação que possa favorecer uma pessoa e prejudicar outra. É uma jogada que oferece vantagem indevida a alguém a fim de que ela pratique, omita ou adie uma ação.

Portanto, quando existe corrupção, necessariamente existe um ato que não visa o bem comum. Ou seja, o corrupto só age pensando em gratificações e vantagens pessoais.

Lavagem de dinheiro

Processo que tem o objetivo de evitar que recursos ilegais sejam descobertos. Ou seja, lavar dinheiro significa transformar grana obtida de forma criminosa em dinheiro limpo, disfarçando sua origem.

Portanto, quando alguém ganha muito dinheiro de forma ilícita, como por exemplo com tráfico de drogas, venda ilegal de armas, contrabando e propinas, não é possível sair usando a quantia sem ter como comprovar sua origem. É necessário criar algumas “estratégias” para evitar suspeitas da Receita Federal ou da polícia.

Para burlar a lei e lavar dinheiro, criminosos e corruptos usam dos mais diversos recursos. Essas pessoas não medem esforços para tentar ocultar suas atividades ilegais e “purificar” seus recursos para que eles aparentem ter origem lícita. O objetivo final é fazer com que o sistema financeiro absorva todo esse dinheiro naturalmente, sem levantar suspeitas.

Caixa 2

Caixa 2 é o dinheiro que circula em uma empresa sem ser declarado aos órgãos de fiscalização. Dessa forma ele é “escondido” e usado para fins diversos. É a prática ilegal de não registrar determinadas entradas e saídas de dinheiro de um caixa, criando assim um acúmulo paralelo de recursos.

Normalmente, o dinheiro do caixa 2 é ocultado para que não incidam impostos sobre ele e/ou usado para outras atividades ilícitas. O caixa 2 pode ser feito por meio de compras superfaturadas ou ao deixar de emitir nota fiscal, já que desta forma a empresa não contabiliza os produtos ou serviços comercializados. Também ocorre em caso de subfaturamento, quanto se registra um valor menor de venda do que realmente foi pago.

No caso de caixa 2 eleitoral, o dinheiro é proveniente de doações não registradas, que não serão declaradas. Aqui no Brasil, uma lei eleitoral estipula um limite para arrecadação e gastos com campanhas. Para driblar essa imposição e obter mais dinheiro, os partidos fazem esse caixa paralelo e ilegal. Depois, se o candidato ou o partido vencer, atuará de forma corrupta para criar vantagens ou atender aos interesses das empresas que doaram dinheiro através desta prática.