Mais da metade dos brasileiros não tem poupança

Por Bruno Freitas

poupança-porquinho

Aprender a poupar é uma das primeiras lições de uma boa educação financeira. A poupança serve tanto para realizar os sonhos de consumo, como comprar um produto ou realizar uma viagem, como ser o colchão de proteção para uma situação de emergência. O problema é que nem todos os brasileiros conseguem juntar dinheiro no fim do mês.

O Banco Central divulgou um relatório, com base na Global Findex 2017, pesquisa realizada pelo Banco Mundial, que mostra qual é a capacidade financeira da população brasileira cobrir despesas em uma situação de emergência – a chamada resiliência. A pesquisa concluiu que 46% das pessoas têm condições de conseguir, pelo menos, R$ 1.520 em caso de uma eventualidade. O resultado é 11 pontos percentuais acima do levantamento de 2014. Mas, apesar dessa melhora, o Brasil ainda está atrás da média mundial, de 54%; dos países que formam a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), de 74%; e daquelas nações com renda per capita parecida com a brasileira, que atingiram 50%. Para que o resultado pudesse ser comparável, a metodologia utilizada foi a capacidade de acumular 1/20 da renda nacional bruta per capita do país – no Brasil, com base no PIB de 2016, foi estimado o valor é de R$ 1.520.

Um dado que chamou a atenção foi a redução da dependência de familiares e amigos para esse momento de emergência. Se 57% das pessoas utilizavam essa saída em 2014, o percentual caiu para 42% na nova pesquisa. Agora, por exemplo, 14% têm condições de obter o dinheiro da poupança ou de outras fontes de investimentos.

Isso sinaliza algo que observamos no IQ 360, por meio da análise dos dados de nossas ferramentas, como o Simulador de Empréstimos e Comparador de Cartões: o hábito de poupar ainda não faz parte da cultura nacional, algo que pode ser melhorado com a educação financeira.

A seguir, separamos duas dicas simples que podem ajudá-lo nesse caminho.

Qual é a importância de guardar dinheiro para emergências?

Ter uma reserva para emergências significa segurança para a sua vida. É não ter de recorrer a amigos ou familiares atrás de um favor financeiro. É, também, evitar a contratação de empréstimos ou linhas de crédito que fogem do seu perfil. 

Imprevistos acontecem. O mais importante é entender que, para ter uma reserva financeira, não é preciso dedicar um esforço enorme. É possível começar poupando uma pequena parte de seu salário para essa finalidade. Quer um exemplo? Algo que seria usado em atividades de lazer que podem ser adiadas.

Para aprender mais sobre o tema, reserve um tempo para ler este texto: Reserva de emergência: entenda o que é e como montar a sua.

Como aprender mais sobre educação financeira

Além da reserva de emergência, outro caminho para cuidar melhor de sua saúde financeira é estudar mais sobre o tema. Esta é, inclusive, uma das soluções propostas pelo relatório do Banco Central.

Apesar de parecer cansativo ter de entender mais sobre finanças, dedicar uma pequena parte de seu tempo para esse propósito vai fazer toda a diferença na maneira como você lida com o dinheiro.  

Para se aprofundar um pouco mais, leia o texto 5 dicas para começar a organizar sua vida financeira e nossa seção de Finanças Pessoais.