Bitcoin: aprenda a investir e a cotação de hoje

Bitcoin hoje

R$ 31,477
*De acordo com o Mercado Bitcoin

Entenda o que é Bitcoin, como funciona essa criptomoeda e quais são as oportunidades de investimento.

Como ganhar dinheiro com bitcoins

Existem duas maneiras de se ganhar dinheiro com Bitcoins: mineração ou investimentos

Mineração

Assim como uma pedra preciosa, o Bitcoin também precisa ser minerado, mas em vez de pás e picaretas são usados computadores. Isso acontece porque o mercado de Bitcoins funciona através de uma rede “peer-to-peer” (P2P), onde cada computador que utiliza o programa de gestão de Bitcoins se torna, ao mesmo tempo, um servidor – similar à famosa rede BitTorrent. Dessa forma, a estabilidade da rede é garantida, pois cada ponto de acesso se torna um ponto de processamento das informações.

A construção de uma rede monetária desse formato envolve uma série de problemas matemáticos complexos, que exigem alta capacidade de processamento de dados. Dessa forma, quando alguém acessa a rede e oferece seu computador como servidor, essa pessoa está oferecendo a capacidade de processamento da sua máquina para manter a rede funcionando. E, como pagamento, essa pessoa recebe uma quantia em Bitcoins, que é calculada a partir da quantidade de dados que seu computador processou. Quanto mais informações um computador processar, mais Bitcoins ele gera. E é isso que nós chamamos de “mineração de Bitcoins”.

Na teoria, qualquer pessoa pode se tornar um minerador e ganhar Bitcoins apenas deixando seu computador ligado e processando informações. Mas, nos últimos anos, a popularização da moeda e a participação de alguns países na mineração de dados tornou a atividade menos lucrativa e apenas supercomputadores de alto rendimento conseguem ter boa rentabilidade.

Investimentos

Se por um lado a mineração de Bitcoins já está mais restrita, os investimentos com Bitcoins ainda seguem os ideais democráticos que deram origem à moeda. Isso porque, enquanto as moedas tradicionais têm valores mínimos de 1 centavo, a menor unidade de Bitcoin é 0,00000001 – valor conhecido como um satoshi. Esse fracionamento da moeda permite que qualquer pessoa compre Bitcoins à partir de valores mínimos.

Investir em Bitcoins é similar à especulação que é feita com outras moedas do mundo. Existem investidores, por exemplo, que ganham dinheiro apenas com a variação que o dólar tem em relação ao real. Quando o dólar desvaloriza, compra-se a moeda a americana, e quando o dólar valoriza, vende-se ele para comprar o real. Essa variação, após descontadas as taxas administrativas e os impostos, torna-se lucro. O mesmo pode ser com o Bitcoin. Mas, ao contrário da moeda americana, o Bitcoin é muito mais volátil e pode trazer grandes lucros ou enormes perdas.

Para avaliar os riscos que existem no investimento em Bitcoins, basta ver o histórico da moeda. Em outubro de 2013, um Bitcoin custava entre US$ 120 e US$ 125. Em um mês e meio, a moeda teve uma valorização enorme e chegou a US$ 1.076, no dia 4 de dezembro daquele mesmo ano. Depois, a moeda registrou fortes quedas. Em fevereiro de 2014 foi negociada em torno de US$ 550 e, em 2015, despencou para cerca de US$ 200.

Nos últimos meses, a moeda voltou a ter alta e, a partir de maio de 2017, chegou a triplicar de preço. Em julho de 2017, um Bitcoin custava em torno de US$ 2,3 mil e em dezembro chegou a mais de US$ 19 mil (Use o nosso simulador e veja o quanto você poderia ter ganhado investindo em bitcoin). Curiosamente, foi também em maio que o Bitcoin teve grande destaque no noticiário mundial, quando um ciberataque do tipo ransomware, chamado Wanna Cry, fechou com criptografia informações valiosas de empresas e pessoas do mundo todo. Para liberar as informações, os hackers exigiam pagamento em Bitcoins.

Como investir em Bitcoins

Se você já possui uma conta em uma corretora, não terá problemas para investir em Bitcoins. O processo é bem parecido e seguindo apenas 3 passos já é possível fazer o seu primeiro investimento em Bitcoin:

1. CADASTRE-SE EM UMA EXCHANGE

Cadastre-se gratuitamente em uma Exchange (corretora especializada) de Bitcoin. Hoje as mais conhecidas do Brasil são:

O cadastro é simples e rápido, sendo requeridos apenas algumas informações pessoais, residenciais, bancárias e, eventualmente, uma selfie para aumentar a sua segurança.

2. TRANSFIRA SEUS RECURSOS

Faça a transferência de recursos para a Exchange de sua escolha. Para isso, entre na sua conta criada na Exchange, clique em “depósitos”, escolha o seu banco, a forma de transferência e a quantidade a ser transferida. Após isso, entre no seu internet Banking, coloque os dados de agência, conta corrente e CNPJ informados pela sua Exchange, deposite a quantia e tire uma foto do comprovante. Por fim, basta enviar a foto do comprovante da transferência e aguardar a confirmação do depósito. Fique tranquilo, essas e outras instruções são repassadas pela própria Exchange quando você fizer depósitos ou em tutoriais próprios.

3. INVISTA EM BITCOIN

Confirmado o depósito, o valor aparecerá em sua conta. Esse processo pode levar até 1 dia útil para ser realizado. Clique em “Comprar” ou “Vender” e coloque uma ordem de compra ou venda da quantia desejada. A própria Exchange fará a conversão do seu dinheiro em reais para o equivalente em Bitcoin.

EXTRA – PAGAMENTOS E SAQUES

Para fazer saques ou transferências de Bitcoins, basta clicar em “Saques”, “Sacar Bitcoins”, copiar o código da carteira informado pelo site (ou de sua agência e conta corrente caso seja uma transferência para o seu banco), e colar em “Carteira”. Será enviado um código verificador ao celular cadastrado ou e-mail. Após isso, cole o código de confirmação no campo informado pela sua Exchange e aguarde alguns instantes para que a transação seja confirmada.

Ganhe dinheiro com a queda do Bitcoin

Coloque um alarme em suas criptomoedas favoritas e não perca oportunidades de trade!

Colocar Alarme

Blockchain e como ele garante seus investimentos

Popularizado nos últimos anos pelas startups do Vale do Silício, o blockchain nada mais é do que um grande cartório digital, onde ficam registradas todas as operações financeiras feitas com Bitcoins desde a criação da moeda. O destaque a esse tipo de registro é que ele garante, praticamente, total segurança às informações armazenadas. Mas como funciona o blockchain?

A cada dez minutos, é fechado um consolidado de todas as transações que ocorrem no mundo todo. Esse registro é processado pelos milhões de mineradores de Bitcoins que existem e é adicionado a uma fila que contém todo os outros registros já feitos no passado. Para que esse novo registro seja aceito, ele precisa estar de acordo com os dados que já existiam no passado. Ou seja, se 10 minutos atrás uma pessoa tinha 10 bitcoins, ela não pode ter agora 50 bitcoins sem que tenha sido registrada uma transferência para ela de mais 40 bitcoins.

Essas informações estão armazenadas em servidores espalhados pelo mundo todo, por isso para um hacker conseguir adicionar dinheiro irregular à sua carteira digital, ele teria que hackear todos os milhares de computadores que armazenam, com criptografia, e processam essas informações em todo o mundo. Além disso, seria preciso alterar todos os registros do passado, desde 2009, quando a moeda foi lançada. E, se não fosse o bastante, tudo isso teria que ser feito antes do surgimento de um novo registro, ou seja, em apenas 10 minutos. Esse nível de segurança não torna o mercado de Bitcoins menos volátil, mas garante a qualquer pessoa que seu dinheiro não irá sumir de uma hora para outra.

Ainda assim já aconteceram problemas de segurança no passado. Em 2014, a MT Gox, uma bolsa de negociações de Bitcoins com sede em Tóquio, desapareceu com o equivalente a US$ 350 milhões em Bitcoins de investidores. Na época, o diretor da bolsa, Mark Karpeles, alegou que hackers haviam invadido as contas. Porém, no ano seguinte, Karpeles foi acusado de fraudar dados e embolsar milhões em Bitcoins. O ex-diretor da MT Gox foi preso em agosto de 2015, mas saiu após pagar a fiança. O julgamento do caso ainda está em processo.

Outras criptomoedas

Desde 2009, muitas outras moedas virtuais foram criadas. Afinal, como o código do Bitcoin é aberto, qualquer programador pode fazer modificações para criar sua própria moeda. Em nossa ferramenta de Criptomoedas, por exemplo, é possível encontrar as principais moedas do mercado.

Essas moedas alternativas ao Bitcoin são conhecidas popularmente como “Altcoins”. O mais interessante é que cada uma delas tenta resolver um problema diferente do mercado financeiro digital. Algumas tentam prever as demandas que as tecnologias com inteligência artificial terão. Outras tentam se preparar para a tendência de crescimento de transações por celular, via aplicativo de mensagem. Há, inclusive, moedas segmentadas específicas para os mercados de arte e eSports.

Embora ainda sejam, em sua maioria, experimentos com grandes riscos, as moedas virtuais representam uma tendência de busca pela inovação no mercado financeiro. Por isso, não se surpreenda se no futuro elas dominarem cada vez mais o mercado e a sua carteira.