O que são derivativos

Por Redação IQ 360

derivativos

Derivativos são contratos firmados sobre negócios que serão realizados no futuro. Por exemplo, um produtor de milho precisa de dinheiro para financiar a safra daquele ano. Ele vai ao mercado de capitais e vende hoje o milho que só será colhido ao final da safra, a um preço um pouco menor do que seria fechado à vista. Com este dinheiro, ele investe na produção e garante a entrega do milho. Já o investidor, que comprou aquele milho antecipado, vai à bolsa e negocia aquele contrato, obtendo um ganho. Este é um tipo de negócio possível no mercado de derivativos.
Os derivativos são negociados na B3, e podem ser de quatro tipos:

  • Termo: é um contrato que prevê a troca de moedas em uma data específica. Com isso, as partes combinam antecipadamente qual será a taxa de câmbio que será exercida no ato da negociação. É um mecanismo importante para proteção contra oscilações inesperadas do câmbio.
  • Opções: são direitos de compra ou venda de ações em uma data futura. Podem ser padronizadas ou flexíveis;
  • Swaps: trocas de ativos. Por esta operação, um título indexado em dólar pode, por exemplo, ser trocado por outro indexado à inflação, ou um contrato com vencimento em julho pode ser trocado por outro com vencimento em setembro;
  • Futuros: é a operação mais comum em derivativos, e na B3 ocupa espaços próprios. É toda negociação de moedas e commodities, nas quais você paga hoje por uma entrega que será feita no futuro.

O segredo do investimento em derivativos é a análise de tendências. Quando se investe em derivativo, o investidor está comprando a volatilidade de um determinado ativo, em troca de um ganho futuro.
Vamos ao exemplo do milho, mencionado acima. Ao vender o milho futuro, o produtor assegura um preço para o seu produto, o que facilita o seu planejamento financeiro. Já o investidor aposta na flutuação futura, buscando uma oportunidade de revender aquele contrato a um valor superior ao que comprou. Na outra ponta está o comprador de milho, que está disposto a pagar um preço de mercado para receber o produto ao final da safra.
Apenas por meio de uma corretora de valores é possível operar no mercado de derivativos. É ela que viabiliza a emissão, custódia e intermediação dos contratos, dentro do ambiente de negócios da B3. É por meio dela que o produtor vende o seu milho futuro, e o processador compra o milho. É também por meio dela que o investidor explora as oportunidades de negócio geradas pela compra e venda de milho futuro.