O que são fundos de investimento?

Por Redação IQ 360

fundos-de-investimento

Fundos de investimento são uma forma pela qual investidores atuam coletivamente em determinados mercados. Os fundos são criados por uma administradora, geralmente uma instituição financeira, que tem o objetivo de gerenciar uma carteira de ativos e captar recursos no mercado para financiar estes investimentos em troca de um retorno combinado previamente.
Um fundo de investimento é regulado pela CVM, e precisa contar necessariamente com os seguintes elementos:

  • Administrador do fundo: instituição financeira que cria e administra o fundo em troca de uma taxa de administração;
  • Gestor da carteira: responsável pelos investimentos realizados pelo fundo;
  • Taxas: remuneração do investidor para o administrador do fundo por seus serviços. Pode ser cobrada tanto uma taxa de administração fixa ou uma taxa de performance, baseada no resultado;
  • Regulamento: regras de funcionamento do fundo, como política de investimento, taxas, perfil do fundo, divulgação de informações e outras. O regulamento precisa ser registrado na CVM;
  • Prospecto: documento que sintetiza o regulamento do fundo, também precisa ser registrado na CVM;
  • Lâmina de informações essenciais: documento que simplifica a apresentação das informações do regulamento e do prospecto;
  • Patrimônio: o patrimônio do fundo é formado por todo o capital investido nele;
  • Cotas: cada cota equivale ao valor mínimo que um investidor pode deixar investido em um fundo.

Os fundos podem ser abertos ou fechados. Um fundo aberto capta investimentos durante todo o período de sua existência, e os investidores podem fazer resgates a qualquer momento. Já os fundos fechados abrem captação apenas na abertura do fundo, e os resgates só podem ser realizados ao final do prazo de duração do fundo.
Eles também podem ser classificados conforme o mercado em que o patrimônio é investido:

  • Fundos de curto prazo: investem exclusivamente em títulos públicos federais, ou privados de baixo risco de crédito;
  • Fundos referenciados: buscam acompanhar o desenvolvimento de determinado indicador de mercado. Por exemplo, um fundo DI tem o objetivo de entregar a mesma rentabilidade do CDI;
  • Fundos de renda fixa: aplicam pelo menos 80% de seu patrimônio em títulos de renda fixa;
  • Fundos de ações: aplicam pelo menos 67% do patrimônio em ações negociadas na bolsa de valores;
  • Fundos cambiais: aplicam pelo menos 80% do patrimônio em ativos cotados em moeda estrangeira. Isto inclui não apenas dólar, mas ações e títulos cotados em dólares, euros ou outras moedas;
  • Fundos multimercado: investem seu patrimônio em diferentes mercados, sem focar em um tipo específico de ativo. Geralmente toleram uma exposição maior a riscos;
  • Fundos de Investimento em Cotas (FIC): aplicam seus recursos em cotas de outros fundos. Devem manter pelo menos 80% do patrimônio em fundos semelhantes, a não ser que seja um FIC Multimercado;

Além desses, existem os fundos estruturados, que seguem regulamentação específica. São eles:

  • Fundo de Investimento Imobiliário: fundos que destinam seu patrimônio para exploração de compra, venda, aluguel e arrendamento de imóveis;
  • Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FDIC): operam no mercado de recebíveis, ou seja, antecipam às empresas o pagamento de seus clientes e assumem para si a cobrança desses pagamentos;
  • Fundos de Investimento em Participações (FIP): investem em participações de empresa que não operam em bolsa de valores. É o caso dos fundos de investimentos em startups;
  • Fundos de Investimento no Cinema Nacional (Funcine): investem na produção de produtos audiovisuais.