Qual a diferença entre reserva financeira e reserva para a aposentadoria

Por Redação IQ 360

Índice de Conteúdomenu

  1. Investimento conservador
  2. Foco no ganho de capital
  3. Poupe mais amanhã

Fazer uma reserva financeira é o objetivo da prática de poupar. Podemos fazer reservas financeiras por diferentes razões: pagar a faculdade dos filhos, comprar um imóvel, fazer uma viagem, trocar de carro, enfrentar emergências médicas. Contudo, quando se faz uma reserva para aposentadoria, estamos falando de um esforço de poupança mais prolongado para gerar uma renda capaz de nos sustentar até o fim da nossa vida.

Por isso, uma reserva para a aposentadoria não pode correr o risco de zerar ao longo da vida. É muito conhecida a história de Jorginho Guinle, um milionário que calculou quanto dinheiro precisaria para viver até os 75 anos, e foi gastando. O dinheiro acabou ao 75, mas ele viveu até os 88 anos, e acabou na miséria. Uma boa reserva para a aposentaria não pode ter o mesmo fim do patrimônio de Jorginho Guinle.

Para se construir uma boa reserva para aposentadoria, algumas medidas são fundamentais:

Investimento conservador

Recursos para aposentadoria não podem ser destinados a investimento de alto risco. O objetivo aqui é preservar patrimônio. Por isso, o ideal é aplicar em investimentos de renda fixa, especialmente com garantias para o patrimônio. Se for colocar parte do recurso em renda variável, dê preferência aos fundos de índice ou ETF (Exchange Trade Funds). Eles costumam incorporar a oscilação de índices de mercado, mas contam com proteções extras para o investidor.

Outra estratégia conservadora para a renda variável é investir em ações pagadoras de dividendos. Elas costumam ser mais estáveis que as demais e o dividendo pago pode ser reinvestido, acelerando sua formação de reserva.

Foco no ganho de capital

Quando se trata de investir para previdência, é fundamental preservar o capital investido mesmo após se aposentar. Para isso, é importante calcular sua renda futura sobre o ganho de capital futuro, de um modo que o capital investido não diminua.

Por exemplo, se o objetivo é se aposentar com uma renda de R$ 10.000,00 por mês, o capital poupado para a previdência precisará render pelo menos os mesmos R$ 10.000,00, mais a inflação do período. Considerando os ganhos da caderneta de poupança (0,5% ao mês), os mais baixos do mercado, esta aposentadoria demandaria uma reserva de pelo menos R$ 2 milhões investido. Caso o foco seja em ações pagadoras de dividendos, elas precisam pagar mais que os R$ 10 mil que se espera receber.

Poupe mais amanhã

A estratégia “poupe mais amanhã” foi uma criação dos economistas comportamentais Shlomo Benartzi e Richard Thaler, vencedor do Nobel de economia, para estimular a poupança entre trabalhadores nos Estados Unidos. Por ela, o trabalhador assume o compromisso de poupar uma parte de sua renda agora, e aumenta-la à medida que é promovido e seu salário real aumenta. A grande vantagem deste modelo é que a pessoa não se vê obrigada a reduzir o seu padrão de vida atual, mas sim a não o aumentar na mesmo proporção de sua renda.

Um planejamento de poupança no formato “poupe mais amanhã” pode ajudá-lo a acelerar o crescimento de sua reserva para a aposentadoria. Aquilo que você poupa a mais quando sua renda real cresce não aumenta apenas a base investida, mas também o ganho de juros, uma vez que ele passa a incidir sobre uma base maior. O seu sonho de aposentadoria pode se antecipar.

Em resumo, quando se fala em reserva para a aposentadoria, estamos falando em proteger a nossa velhice. É um planejamento de longo prazo, cuja exposição a riscos precisa ser menor que a de uma reserva de curto prazo.