O que é e como é feita a analise técnica de investimentos?

Por Redação IQ 360

Você sabia que existe uma maneira de avaliar as tendências de mercado para identificar as melhores opções de investimento? Esse é o papel da análise técnica, que é baseada no estudo de comportamento de mercado, usa gráficos como base para avaliar as possibilidades e é muito usada entre traders e investidores.

Esse tipo de análise tem o objetivo de determinar a tendência de uma ação, com base em seu comportamento de oferta e procura, e em indicadores pré-definidos. Além disso, ela considera que os preços de ações no mercado vão ser influenciadas por expectativas positivas ou negativas, notícias ou fatos. E, também, parte da premissa que os preços seguem tendências e o investidor pode operar de acordo com sua movimentação, sendo possível também analisar as flutuações de preço futuros com base no estudo de acontecimentos passados.

A análise técnica se preocupa com os efeitos que causam alterações na oferta e demanda de ativos, organizando os movimentos do mercado em gráficos para observar a direção que eke está indo, por meio de análises de padrões e exame de dados históricos relacionados às ações negociadas. Esse tipo de análise supõe que toda informação sobre a empresa é conhecida e especificada em seus valores.

Quais são os critérios de uma análise técnica?

As análises são feitas com base na observação de critérios específicos, que diagnosticam os rumos de mercado. Confira a seguir quais parâmetros são considerados pela análise técnica.

  • Tendências: Indica a direção do preço de uma ação, de acordo com a oferta e demanda do mercado. Elas devem continuar por um determinado período de tempo e não há garantias de que continuem como planejado. Existem três tipos de tendências: para cima (otimista), preços mais altos; para baixo (pessimista), preços caem; para os lados, quando há um equilíbrio entre oferta e demanda.
  • Suportes e resistências: Mostram onde o preço de uma ação pode subir, cair ou ficar estável. Mas não se engane, eles não representam os preços exatos, mas sim áreas de valores que podem sofrer variações. Um grande número de investidores interessados em uma compra é representado pelo suporte, e com o aumento da demanda, há aumento de preço. Já a resistência é quando a oferta é maior do que a procura, e as ações desvalorizam. A análise dessas duas variáveis pode definir a compra ou não de ativos disponíveis no mercado.
  • Canais de negociação: Aparecem quando há grande variação de preços da mesma ação, indo e voltando de suporte a resistência.
  • Agressividade de compradores e vendedores: A agressividade dos compradores determina o que acontece em seguida a queda de preços de ações, em que havia expectativa sobre. A análise dessa variável pode, em teoria, prevenir a queda de preços ou aumento excessivo de preços, o que influencia os índices de oferta e demanda.
  • Movimento de Topos e Fundos: São padrões de análise das tendências das ações e indicam se uma tendência vai ficar em alta ou baixa, além de identificar possíveis resistências ou suportes (aumento ou queda de preços acentuada).
  • Volume: Representa a quantidade de ações ou contratos negociados ao longo de um período de tempo, que pode ser um dia ou algumas horas.
  • Gráficos de preços: Exibem as variações de preços em imagens gráficas, e podem ser de linhas simples, conectadas por uma linha reta que representa os preços de fechamento de cada dia; de barras, linhas verticais que indicam a faixa de negociação diária, o preço de abertura, preço mínimo e máximo do período; candlestick, de forma retangular mais visual, também mostra os quatro tipos de preços.
  • Médias móveis (MM): Indicadores técnicos que mostram sinais de quando uma tendência está firme ou se movendo na mesma direção do preço de ações. As MM podem ser simples ou exponenciais.