Ethereum, a moeda que vai revolucionar o mercado

Índice de Conteúdomenu

  1. Criptomoedas
  2. O que é o Ether?
  3. Ethereum x Bitcoin
  4. Como comprar?

Criptomoedas

Criptomoedas são uma forma de dinheiro digital projetadas para serem seguras e, em muitos casos, anônimas. Elas não são emitidas pelos bancos centrais e, portanto, seu valor não depende das políticas bancárias.

Pode-se dizer que é uma criptomoeda é basicamente uma moeda associada à internet que utiliza criptografia, uma forma de comunicação nascida na Segunda Guerra Mundial para dificultar o acesso do inimigo às informações.

Desde então, esse conceito evoluiu na era digital com elementos de teoria matemática e ciência da computação para se tornar uma maneira de garantir comunicações, informações e dinheiro online.

A primeira criptomoeda foi bitcoin, que foi criada em 2009 e ainda é a mais conhecida. Houve uma proliferação de criptomoedas na última década e agora há mais de 1000 disponíveis na internet.

O que é o Ether?

Ether é uma moeda digital usada para operar contratos inteligentes na rede Ethereum. Como Bitcoin, a rede Ethereum e os tokens Ether não são controlados ou emitidos por nenhum banco ou governo – em vez disso, é uma rede aberta que é gerenciada por seus usuários.

Ethereum foi proposto no final de 2013 por Vitalik Buterin, um pesquisador e programador de cryptocurrency. O desenvolvimento foi financiado por um crowdsale online entre julho e agosto de 2014. O sistema foi ao vivo em 30 de julho de 2015, com 11,9 milhões de moedas “pré-mineradas” para o crowdsale. Isso representa cerca de 13% do total de fornecimento circulante.

Tecnologia e possibilidades

A estrutura do Ethereum é muito semelhante ao bitcoin, na medida em que é um registro compartilhado de todo o histórico de transações. Cada bloco na rede armazena uma cópia desse histórico.

A grande diferença com o ethereum é que seus blocos armazenam o estado mais recente de cada contrato inteligente, além de todas as transações com ether.

Para cada aplicação de ethereum, a rede precisa acompanhar o “estado”, ou a informação atual de todas essas aplicações, incluindo o saldo de cada usuário, todo o código do contrato inteligente e onde está armazenado.

Bitcoin usa saídas de transações não gastadas para rastrear quem tem quanto bitcoin. Embora pareça mais complexo, a ideia é bastante simples. Toda vez que uma transação de bitcoin é feita, a rede “quebra” o montante total como se fosse papel moeda, emitindo bitcoins de volta de forma que os dados se comportem de forma semelhante a moedas físicas ou a mudança.

Para fazer transações futuras, a rede bitcoin deve somar todas as suas trocas de mudanças, que são classificadas como “gasto” ou “não gasto”. Ethereum, por outro lado, usa contas.

Como os fundos da conta bancária, tokens ether aparecem em uma carteira, e podem ser portados (por assim dizer) para outra conta. Os fundos estão sempre em algum lugar, mas não têm o que você pode chamar de relacionamento contínuo.

São essas características do Ethereum em relação ao Bitcoin que direcionam a um maior apoio das comunidades financeiras e tecnológicas. As empresas reconheceram o imenso poder da tecnologia blockchain e criptomoedas para aumentar a segurança e a eficiência, e eles estão se juntando à festa.

Instituições como a Microsoft e a JPMorgan comprometeram seu apoio ao desenvolvimento do Ethereum através da formação da Enterprise Ethereum Alliance. O objetivo da aliança é garantir que o potencial da Ethereum seja realizado em todas as indústrias.

Ethereum x Bitcoin

A diferença entre Ethereum e Bitcoin é o fato de que a Bitcoin não é mais do que uma moeda, enquanto a Ethereum é uma tecnologia de registro que as empresas estão usando para construir novos programas.

Tanto a Bitcoin quanto a Ethereum operam sobre o que é chamado de tecnologia “blockchain”, porém o Ethereum’s é muito mais robusto. Se o Bitcoin fosse a versão 1.0, o Ethereum é 2.0, permitindo a construção de aplicativos descentralizados a serem construídos além disso.

Enquanto o Bitcoin permite que você participe de uma rede financeira global, usando o Ethereum, você pode participar de uma rede computacional global. Isso é feito por meio de contratos inteligentes, que são scripts de código que podem ser implantados na cadeia de blocos Ethereum.

Embora os contratos inteligentes ainda sejam uma tecnologia muito nova, eles têm uma ampla gama de aplicações potenciais em muitas áreas diferentes, como votação, cadeias de suprimentos globais, registros médicos, sistema financeiro e possivelmente outros que ainda não foram descobertos.

Como comprar?

No mercado brasileiro, as Exchanges que negociam Ether são a Braziliex e Foxbit. Diferentemente do Bitcoin, a forma de armazená-lo mais comum é através da myetherwallet.com.

A pratica mais comum é comprar Bitcoins e trocá-los por Ether.  É possível também adquirir Ether diretamente de outros usuários, através de portais como o Mercado Livre e OLX.

Comprar via exchange

A aquisição é extremamente fácil, basta abrir uma conta nessas corretoras, informando dados pessoais como Nome, endereços eletrônicos e físicos, documentos básicos como RG, CPF, conta bancária e enviando cópias digitalizadas dos mesmos e uma foto onde seu rosto esteja visível, portando tais documentos.

Após a validação dos mesmos, basta fazer depósito, transferência e em alguns casos como o Mercado Bitcoin, pagar um boleto no valor de investimento desejado (investimentos a partir de R$50,00) e dentro de 24 a 72 horas os valores são creditados na sua carteira e você pode agendar (propondo valores menores do que a cotação do momento) ou comprar Ether pelo valor do mercado.

Antes de iniciar qualquer compra e abrir uma carteira, confira quais as taxas de depósito, compra, transferência e saque de cada Exchange, pois isso influenciará nos resultados financeiros finais que irá obter.

Como comprar Ether no exterior

Atualmente a Coinbase, a mais popular Exchange de criptomoedas do mundo, não permite compra e venda de criptomoedas para computadores com IP brasileiro, mas é possível realizar tais operações em outras corretoras.

O processo de abertura de contas é similar aos das exchanges nacionais, mas atenção às taxas praticadas, pois podem ser influenciadas diretamente pela cotação do dólar em relação ao real.