O que é patrimônio? Como saber o seu?

Por Redação IQ 360

Quando se diz que uma pessoa é rica ou pobre, podemos estar nos referindo a dois conceitos diferentes: renda ou patrimônio. Diferenciá-los é fundamental para se definir uma estratégia adequada de investimento, ou mesmo cuidar adequadamente de suas finanças pessoais.

Basicamente, renda é aquilo que uma pessoa ganha em um determinado período de tempo, seja como resultado de seu trabalho, seu negócio ou mesmo como retirada de seus investimentos. No Brasil, costumamos calcular a renda mensalmente, por conta da associação mental ao salário, mas isso não é uma regra. Já o patrimônio é o recurso que uma pessoa acumula ou guarda, sob diferentes formas: imóveis, bens de capital, bens de consumo duráveis, fundos de investimento, ações, entre outros.

Os economistas costumam dizer que renda é fluxo, e patrimônio é estoque. Ou seja, renda é o dinheiro que passa por você, patrimônio é o que fica com você. Quando uma pessoa reclama que o seu ganho mensal mal dá para pagar as contas, ela tem renda, mas não constrói patrimônio. Por isso, é muito comum vermos pessoas de alta renda que não acumulam patrimônio, e pessoas de baixa renda que se tornam grandes investidores.

Uma outra característica do patrimônio é que seu proprietário pode vende-lo ou transferi-lo a outra pessoa. Isto diferencia, por exemplo, do aluguel, que assegura apenas o usufruto do bem.

Como saber qual o seu patrimônio

Um caminho interessante para se calcular qual o seu patrimônio é avaliar o que a Receita Federal exige que seja declarado como patrimônio para efeito de imposto de renda. A Receita divide o patrimônio em bens e direitos:

  • Bens: dinheiro em espécie, saldo em conta bancária, imóveis, automóveis, barcos, aeronaves, joias e obras de arte;
  • Direitos: ações, participações societárias em empresas, aplicações financeiras, fundos de previdência privadas.

Ou seja, bem é tudo aquilo que a pessoa possui para uso e que tem valor de mercado. Direitos são recursos que a pessoa pode acessar, mas que não necessariamente possui. A pessoa pode morar em um imóvel ou se locomover com um carro, mas se ela detém ações da Petrobras, isso não significa que ela possa passar as férias em uma plataforma de petróleo da empresa.

Um caso interessante é o título patrimonial de um clube. Por um lado, ele é similar a uma ação de uma sociedade anônima, ou seja, pode ser vendido, comprado, transferido como herança ou até mesmo penhorado, como decidiu esta ação de penhora. Contudo, ele assegura o direito ao usufruto dos bens e serviços do clube, como se fossem propriedade do sócio detentor do título.

O seu patrimônio, portanto, é a soma dos valores dos bens e direitos que a pessoa possui. Para avaliar a sua evolução patrimonial, é importante calcular esses valores a preços de mercado. Isto te permitirá inclusive avaliar se é hora de comprar mais daquele tipo de bem ou serviço, ou vender para aproveitar uma oportunidade.

Por exemplo, imagine que você receba de herança um imóvel que um parente construiu em um bairro operário de uma antiga zona industrial. Contudo, ao longo dos anos, aquele bairro mudou de perfil, e se tornou uma região valorizada com moradores de classe média. É o caso, por exemplo, do bairro da Mooca em São Paulo. Provavelmente o valor daquele imóvel, quando foi comprado pelo parente, lá no passado, é infinitamente inferior ao de uma venda nas condições atuais. Da mesma forma, um carro zero quilômetro vale mais que o mesmo modelo com dez anos de uso, e uma obra de arte como o Abaporu vale mais hoje do que quando foi pintado.