O que são Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC)?

Por Redação IQ 360

CDI Hoje

Rentabilidade

6.39%

O Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC), também conhecido como fundo de recebíveis, ainda é um ativo financeiro pouco conhecido pelos investidores. Segundo uma enquete realizada pelo Portal InfoMoney, apenas 7% dos leitores têm interesse sobre a aplicação.

Mas e você, conhece o FIDC? Sabe como funciona? Esse investimento se caracteriza por ter no mínimo 50% do patrimônio composto por direitos creditórios, que são títulos de créditos de operações financeiras, ou seja, dívidas convertidas em títulos e que são comercializadas com terceiros. Imagine, por exemplo, que você comprou algo a prazo em alguma loja de móveis, mas, em vez de esperar o pagamento das parcelas a empresa opta por adiantar o recebimento vendendo o título da sua dívida no mercado financeiro. Assim, quando o pagamento for realizado por você, os investidores recebem o valor investido.

Os FIDCs são um tipo de investimento conservador em Renda Fixa, com riscos reduzidos, administrados por uma instituição financeira específica que organiza a venda de cotas aos investidores e a compra de títulos de direitos creditórios. Além disso, todo FIDC possui um regulamento que apresenta o perfil de atuação e a política de investimentos do fundo.

Os regastes dos valores investidos podem ser feitos de acordo com o tipo do fundo, que podem ser constituídos de duas maneiras:

  • Aberto: os cotistas podem pedir o resgate do dinheiro aplicado, quando desejar, de acordo com as regras definidas pelo fundo.
  • Fechado: as cotas só podem ser resgatadas após o fim do prazo de duração do fundo, de cada série ou classe de cotas ou com sua liquidação.

Como investir em FIDCs?

O FIDC é um investimento destinado apenas a investidores qualificados, ou seja, investidores profissionais, clubes de investimentos ou pessoas com mais de R$1milhão em investimentos. Por isso, o valor inicial para aplicação é de no mínimo R$25mil.

As cotas do fundo são divididas em dois níveis:

  • Cotas seniores: rentabilidade prefixada, e possuem preferência em relação ao recebimento quando há o resgate;
  • Cotas subordinadas: como o nome sugere, ela é subordinada às cotas seniores e só podem ser resgatadas depois das seniores.

Com alta rentabilidade, esse ativo financeiro pode ter rendimentos que superam 120% do CDI, mas a desvantagem é que o fundo não possui garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), em relação a perdas e inadimplências. Entretanto, os riscos das operações são reduzidas, já que os FIDCs são classificados por agências de rating e a aprovação dos recebíveis são avaliadas por consultorias de crédito, o que deixa o processo mais seguro.

Sobre os custos, saiba que esse tipo de fundo também possui taxas de manutenção, e as regras tributárias são as mesmas de outros fundos com incidência de IOF regressivo para resgate em período inferior a 30 dias, e Imposto de Renda retido na fonte, de acordo com a tabela regressiva: 22,5%, para aplicações de até 180 dias; 20%, até 360 dias; 17,5%, até 720 dias; e 15% acima de 720 dias.