Quando devo pagar a franquia no seguro auto?

Por Maria Teresa Lazarini

Índice de Conteúdomenu

  1. Quando devo pagar a franquia?
  2. E quando não pago a franquia?

Você sabe o que significa a franquia do seu seguro auto? Lendo o contrato de um seguro auto, é muito comum as pessoas se perguntarem em que casos a seguradora cobre o dano ao carro e quando o segurado é o responsável por pagar a mais. Por conta disso, existe o termo franquia, que nada mais é que o valor que o segurado deve pagar caso seja preciso fazer algum reparo parcial no seu veículo.

Quando devo pagar a franquia?

O conceito de franquia não é nada complicado: para que o segurado não acione a seguradora em casos de danos pequenos, é definido na apólice um valor em dinheiro que o segurado deve pagar para acionar a seguradora para reparos parciais no carro. Supondo que a franquia de um seguro seja R$1.000 e seja preciso fazer um conserto no carro que custe R$5.000, o motorista vai ter que pagar R$1.000 (o valor da franquia) e a seguradora ficará responsável pelos R$4.000 restantes. Mas é importante lembrar que a franquia é paga à oficina que faz o serviço de reparo, não à seguradora.

Se não existissem franquias, provavelmente as pessoas pediriam que a seguradora cobrisse reparos pequenos o tempo todo, como uma troca de lanterna – o que faria com que o valor do seguro ficasse muito mais caro no final.

Por isso, a franquia também representa um limite de valor que o segurado pode acionar a seguradora: se o reparo no carro for custeado em R$500 e a franquia do segurado for de R$1.000, ele não poderá acionar a seguradora para cobrir esse gasto, porque o valor do reparo foi menor que o valor da franquia. Assim, o reparo daquele dano deve ser cuidado inteiramente pelo segurado.

E quando não pago a franquia?

Como dito anteriormente, a franquia vai ser paga se o veículo sofrer danos e precisar de reparos específicos. Mas dentro desses reparos, não entra os que são resultados de alguns sinistros, como de colisão com perda total. Deste modo, há vários casos em que o segurado não paga a franquia à seguradora – veja a seguir quais são:

  • Danos causados por terceiros (a pessoa que causou o acidente deverá arcar)
  • Furto ou roubo sem recuperação (caso o carro seja recuperado e não seja considerado como perda total, você deve pagar a franquia para os reparos no carro)
  • Assistência 24h
  • Queda de raio
  • Colisão com perda total
  • Produtos assistenciais oferecidos pela seguradora
  • Incêndio

O caso de colisão com perda total é o que mais gera dúvida, já que a seguradora é a responsável por determinar que situações podem ser consideradas como perda total. Para esclarecer, as seguradoras só podem considerar perda total do veículo quando o valor do conserto é igual ou maior que 75% do preço do carro em questão no mercado.

Assim, se os reparos no carro custam menos que 75% do valor do carro no mercado, o segurado deverá pagar a franquia. Quanto ao valor da franquia, vale ressaltar que ele muda de acordo com a seguradora e as características do veículo e do condutor. Além disso, a franquia já é especificada no momento da cotação do seguro.

Outro momento em que você não precisa pagar a franquia é quando o valor do reparo for menor que o valor da franquia: em situações assim, a seguradora nem vai considerar aquele reparo como um sinistro, fazendo com que você fique responsável por arcar com as despesas daquele reparo. Se, por exemplo, sua franquia seja R$2.000 e o custo de um reparo seja de R$1.500, a seguradora não vai reconhecer aquele conserto como um sinistro e você deverá pagar os R$1.500 sozinho.

E aí, está pronto para contratar o seu seguro auto? Cote aqui!