Quem precisa de um Seguro de Vida?

Por Redação IQ 360

Um levantamento feito pela Universidade de Oxford revelou que apenas 19% dos brasileiros possuem seguro de vida. O estudo, realizado com 11 países, também mostrou que a média global de segurados é de 32%. Esse índice demonstra parte da insegurança do brasileiro em pagar por algo que não deve receber a curto prazo. Além disso, nossa cultura é marcada pela inflação, o que dificulta o hábito de planejamento a longo prazo.
Muitas pessoas nem sabem como realmente funciona o seguro de vida, que na realidade é uma garantia de compensação financeira em casos de morte, doença grave ou invalidez permanente causada por acidentes. Oferecido por seguradoras em todo o país, o serviço é regulamentado pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), que garante os direitos do consumidor e mantêm uma lista das empresas autorizadas a atuar no Brasil.
Mas quem precisa de um seguro de vida? Se você morresse de repente, seus familiares conseguiriam se manter financeiramente? Haveria dinheiro para as despesas com serviços funerários? Confira a seguir os principais de quem precisa ter um seguro de vida.

Casais

Se por acaso você faltar seu cônjuge vai conseguir se manter sozinho? Mesmo quando não têm filhos, casados devem considerar o seguro de vida, pois sem a presença de um dos dois pode ficar difícil manter o aluguel ou financiamento do imóvel somado aos outros custos de vida, por exemplo.

Quem tem filhos

Quando o casal tem filhos, ou se você é pai ou mãe solteira, a necessidade de uma garantia financeira pode ser ainda mais imprescindível. No caso de morte ou invalidez, esta é a garantia de que sua família e o futuro dos seus filhos não estará comprometido, mesmo que sua renda não esteja presente.

Empresários

Essa pode ser a garantia de que seu negócio continuará a funcionar, mantendo a renda da sua família. Essa pode ser uma boa ajuda financeira para que os herdeiros possam dar continuidade ao trabalho, mesmo após a sua morte.

Provedor familiar

Mesmo que você não seja casado ou não tenha filhos, seu salário pode ser a principal renda da família, pois talvez você cuide de familiares idosos ou irmãos mais novos. Nesse caso, se você morrer de repente o seguro vai garantir que nenhum deles tenha que se preocupar com os custos do serviço funerário e ainda consigam manter uma renda financeira após sua partida.

Solteiro

Você é solteiro, não tem filhos, não é casado e não é a principal renda da família? Será que precisa de um seguro de vida assim mesmo? A resposta é: Sim! A contratação de um seguro de vida ainda jovem garante valores mensais mais baratos, preparando-se para o futuro, além de garantir a segurança de cobertura por invalidez e doenças graves, quando sua renda depende apenas do seu próprio trabalho. Outro motivo é que o seguro garante que o solteiro não deixe dívidas para os familiares em caso de morte, ou ainda queira deixar ajuda financeira para algum parente ou amigo que deve ser o beneficiário.