Vale a pena fazer um seguro de celular?

Por Redação IQ 360

Índice de Conteúdomenu

  1. Quanto custa seu celular?
  2. Você pode ficar sem seu celular?
  3. Mas afinal, como funciona um seguro de celular?
  4. Então, vale a pena ter um seguro de celular?

É chover no molhado dizer que os celulares fazem cada vez mais parte de nossas vidas. Hoje é difícil pensar em passar o dia sem eles, seja porque usamos para conversar com outras pessoas, olhar as redes sociais ou registrar momentos especiais. Estamos sempre com nosso aparelho nas mãos. É um bem precioso que temos. Por isso existem os seguros para celular. Mas será que vale a pena contratar?

Em grandes cidades e ambientes urbanos, celulares se tornaram o principal alvo de assaltos e furtos. Perder seu smartphone não é só uma dor de cabeça e um grande prejuízo financeiro, mas para algumas pessoas também significa ficar sem conseguir trabalhar ou organizar compromissos importantes.

Nesse texto olharemos então para o seguro de celular e mostraremos se vale a pena ou não ter um. Mas antes, é preciso que você se pergunte:

Quanto custa seu celular?

Pode parecer uma pergunta que não faz diferença, mas temos que nos atentar que o seguro para celular é uma despesa mensal que você terá. Logo, talvez seja mais interessante para celulares que custam muito e que o dono planeje ter por um longo tempo – os chamados tops de linha, que custam facilmente mais de R$4.000. São aparelhos extremamente visados e que precisam de maior cuidado por parte de seus donos. Nesse caso, um seguro para celular é extremamente recomendado.

Para aqueles que tem um celular com um valor intermediário ou barato, o seguro se mostra mais opcional – o custo de repor um celular caso ele quebre ou seja roubado não é tão alto, apesar de poder impactar muito seu orçamento ainda assim. Nesse caso, o seguro de celular não se mostra como item indispensável, apesar de seguir atrativo.

Em todo caso, uma pergunta essencial de ser feita é o tema de nosso segundo tópico, que é:

Você pode ficar sem seu celular?

Muitas pessoas hoje dependem de seus celulares para trabalhar e fazer uma série de outros grandes compromissos. Reuniões por telefone e aplicativos, clientes que precisam falar com você a qualquer momento, gestão e cobertura de redes sociais ou até mesmo para realizar ligações para sua família durante uma viagem são exemplos de atividades que dependem do uso de um aparelho celular.

Assim, é importante ponderar se o celular é essencial na sua vida e você não pode ficar sem ele por algum tempo. Se a resposta é sim, um seguro é um meio rápido e garantido de conseguir dinheiro para comprar outro logo. Caso não tenha tanta pressa em ter outro aparelho ou ele não represente uma perda exorbitante, talvez seja interessante passar algum tempo sem ou usando um aparelho antigo enquanto junta dinheiro para comprar outro.

Mas afinal, como funciona um seguro de celular?

Um seguro de celular pode cobrir seu celular em casos de furto, assalto ou danos. O nível de cobertura e assistência fornecida pelo seguro é definido por você no momento da contratação do serviço – mas, obviamente, seguros com uma maior cobertura custam mais que um seguro simples.

Outro valor que influencia o custo de seu seguro é o preço do seu celular e a vigência do seguro – se ele vai durar um ano ou dois, os tempos mais comuns de contrato. São fatores que influenciam quanto você vai pagar em suas mensalidades.

Além disso, existem pré-requisitos para fazer uma apólice que protege seu aparelho. Entre eles, o celular não pode ter mais de 12 meses de uso e é preciso apresentar a sua nota fiscal. Algumas seguradoras também exigem que o aparelho tenha um valor mínimo para que possa ser feita a apólice.

Para receber a indenização nesses casos, o usuário deve fazer um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima e apresentar para a seguradora. Quando o aparelho sofre danos, é a própria seguradora que envia para a assistência técnica para identificar a necessidade de conserto ou de troca do aparelho.

Quanto mais ampla a cobertura, maior o valor do seguro de smartphone. De acordo com o sinistro, o segurado pode receber a sua indenização em dinheiro ou um novo aparelho similar ou igual. Quando o pagamento é feito em dinheiro, o valor entregue ao cliente é referente ao preço de mercado do aparelho quando o serviço foi contratado.

Entre as coberturas adicionais que uma pessoa pode solicitar ao seu seguro, estão as coberturas de quebras acidentais, danos físicos, elétricos e por água assim como uma cobertura internacional.

Então, vale a pena ter um seguro de celular?

A resposta mais sincera é: depende. É uma análise muito pessoal e que só pode ser dita com certeza por você. Mas o Seguro de celular é, em alguns cenários, quase essencial. É o caso de quem tem um celular caro e trabalha com ele, por exemplo. É um prejuízo muito grande para o bolso e a vida da pessoa perder seu aparelho.

Se você tem um celular que não custa tanto e que só é usado de forma pessoal, o seguro se mostra muito mais opcional e para suprir a necessidade que você pode ter de se sentir seguro mesmo que aconteça de perder seu aparelho. Mas vale se atentar de que, a depender do valor da cobertura contratada, o seguro pode ser muito próximo ou superar o preço de seu aparelho – se tornando, assim, pouco vantajoso.

Para saber mais sobre seguros e responder outras dúvidas, leia os textos de Seguros que já escrevemos. Você também pode saber mais sobre Finanças Pessoais, Cartões, Investimentos, Seguro Vida, Seguro Auto e Empréstimos acompanhando nosso site.